Gentil e Erlanio registram chapas e se engalfinham

Os dois candidatos à Presidência da Famem registraram chapa no final da tarde desta quarta-feira. No ato de registro, os dois concederam entrevista coletiva à imprensa.

Erlanio Xavier voltou a criticar duramente a suposta participação do governador em exercício, Carlos Brandão, em favor do seu oponente e disse ter 152 votos.

Fábio Gentil, por sua vez, rebateu o argumento da participação como algo depreciativo. Disse que tem o apoio de Brandão, pela amizade que tem com ele, não por ele ser vice ou por estar na interinidade do governo.

Com relação ao número de votos, Gentil se disse otimista e garantiu que no dia 14 os votos necessários para a sua eleição aparecerão.

“Aprendi que a gente só tem o que mostra, o que o meu adversário mostrou deve ser o que ele tem”, disse ao ser questionado sobre o fato de estar, no momento da entrevista, acompanhado de poucos prefeitos e muitos deputados.

Abaixo, as duas chapas:

Sobe a temperatura na eleição da Famem

A eleição da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem), que acontece no próximo dia 14, já dominou os bastidores da política do Estado.

De um lado, o prefeito Fábio Gentil (Caxias), com seu padrinho não declarado, o governador em exercício, Carlos Brandão; do outro, Erlanio Xavier (Igarapé Grande), com seu parceiro, o senador Weverton Rocha, que, embora de férias, movimenta as peças do xadrez para tentar emplacar mais uma vez o atual presidente no comando da entidade.

Na agenda de hoje (06), além das declarações duras contra Carlos Brandão, logo pela manhã, Erlanio concede às 16h, entrevista coletiva, e Gentil, às 17h, oficializa o registro de sua chapa, que tem o prefeito de Barra do Corda, Rigo Teles como vice.

Gentil, a exemplo do que vem propagando Carlos Brandão, enalteceu o municipalismo no nome da chapa com o tema “A municipalização é para todos”.

Já Erlanio, que também exaltou o municipalismo, tentou rasgar seda para Flávio Dino, homenageando o pai do governador com o seguinte slogan: “Sálvio Dino: Municipalismo na prática”.

Com o tabuleiro armado, segue o jogo!

Com exoneração em massa, Ribamar tem serviços públicos paralisados; saúde e educação são os mais prejudicados

Enquanto os serviços de saúde, educação e outros foram paralisados, na Prefeitura a movimentação foi grande

A decisão natural de início de algumas gestões, de exonerar contratados e cargos comissionados, contraditória, porém, haja vista que o próprio prefeito Julinho de Maranhãozinho (PL), em sua posse, garantiu que não exoneraria nenhum pai de família ribamarense, começa a dar dor de cabeça para a população.

Quem precisou dos serviços públicos hoje pela manhã, seja na área da saúde, educação ou assistência social, por exemplo, acabou frustrado. Ocupantes de cargos em comissão, os médicos e enfermeiros foram todos despachados dos seus postos de trabalho.

Mesmo na área da saúde, são pouquíssimos ou quase nada os profissionais efetivados.  

Na área da educação, a frustração se repetiu. O processo de matrícula também foi interrompido. Diretores, professores e demais funcionários foram todos exonerados. Neste caso, a situação é ainda pior porque além dos comissionados, por meio de decreto, o prefeito suspendeu os contratos de serviços temporários, deixados pela gestão anterior para que serviços não sofressem solução de continuidade.

Na Agência do Trabalho, ligada à Secretaria de Assistência Social do Município, os serviços foram interrompidos no meio do expediente. Mesmo sabendo que já estavam exoneradas, três funcionárias foram dar expediente normalmente por entenderem ser essencial as suas funções no setor.

No momento em que estava atendendo clientes, as três funcionárias foram chamadas para deixarem o prédio da agência, pois os serviços delas não eram mais necessários. Ocorre que as três são credenciadas, com senhas individuais, pelo Ministério da Economia para operar o programa do Sistema Nacional de Emprego (SINE), que gera os benefícios do seguro desemprego, por exemplo, uma das maiores demandas do município.

Como é burocrático o credenciamento para operador desse sistema, e como não houve uma transição eficiente, é possível até que o município perca o posto de atendimento, caso as interrupções persistam.

O blog tentou entrar em contato com a Assessoria de Comunicação para obter respostas sobre as demandas, mas não obteve respostas.

Eleição da Famem: Erlanio Xavier e Fábio Gentil devem registrar chapas até amanhã

Disputa: Erlanio e Gentil devem encabeçar chapas

Os prefeitos dos municípios filiados e aptos da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem) têm até amanhã (06-01), às 18h, para registrar chapas que irão disputar as eleições da Nova Diretoria e Conselho Fiscal da entidade.

São elegíveis para os cargos da Diretoria e Conselho Fiscal todos os prefeitos dos municípios associados quites com as obrigações perante a instituição no ato do pedido de inscrição.

Poderão participar do processo de eleição à Diretoria e Conselho Fiscal da FAMEM qualquer chapa inscrita e registrada na Coordenação Administrativa da entidade até 08 (oito) dias antes da data marcada para a Assembleia Eletiva, ou seja, às 18h do dia 06/01/2021, nos termos do art. 57 do Estatuto.

A eleição será realizada no dia 14 de janeiro de 2021, quinta-feira, das 08h às 18h, na sede da FAMEM, na Av. dos Holandeses, n.06, Qd.08. Calhau, em São Luís, capital do Maranhão, por votação direta e secreta em cédula única.

Até o momento, duas chapas devem ser registradas. Uma encabeçada pelo atual presidente, Erlanio Xavier, de Igarpé Grande, e a outra pelo prefeito de Caxias, Fábio Gentil.

Neto Evangelista tenta botar água no chope de Edivaldo Holanda Jr.

Deputado afirma que Edivaldo Holanda Jr. deixou bolada de Mais de meio bilhão de reais em restos a pagar

Antes de completar um dia na condição de ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. (PDT) foi alvejado pelo primeiro disparo destinado a colocar em dúvida a imagem de excelência na gestão financeira com que deixou o cargo que exerceu por oito anos.

O petardo, que o alcançou às 20 horas e 48 minutos do primeiro dia do ano, foi disparado no Twitter pelo deputado estadual Neto Evangelista (DEM), ex-candidato apoiado pelo PDT à sua sucessão, mas que não contou com seu apoio.

Na postagem, Neto Evangelista, a pretexto de enumerar dificuldades que o prefeito Eduardo Braide (Podemos) enfrentará, afirma, sem citá-lo, que Edivaldo Holanda Jr. deixou a Prefeitura com “restos a pagar” no valor nada menos que R$ 650 milhões, e dizendo acreditar que o volume de papagaios pendurados seja bem maior. Ele afirma que, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), São Luís tem Capacidade de Pagamento “C”, “o que, segundo também o STN, só ganhamos do falido Rio de Janeiro nesse quesito”.

Neto Evangelista escreveu também que o novo prefeito recebeu São Luís como “a pior capital do Nordeste”, segundo o Índice de Governança Municipal (IGM), utilizado pela Sudene e outras instituições como instrumento de avaliação nesse campo. E mais: o respeitado Índice Firjan de Gestão Fiscal “aponta nossa Capital como a pior do Brasil nesse quesito”.

Na sua avaliação, o parlamentar democrata afirma que, “sem recursos específicos para a Covid, sem compensação sobre a queda de arrecadação e com o fim do auxílio emergencial, o desafio será grande”. E conclui: “Eduardo terá de arrumar literalmente a casa”, o que, numa interpretação lógica e cartesiana, leva à conclusão de que, para o parlamentar, ao contrário do que afirmou na mensagem de despedida, o ex-prefeito deixou a casa desarrumada.

A manifestação de Neto Evangelista, feita no calor da troca do comando municipal, pode ser vista por vários vieses. Pode ter sido, como sugere no final, um gesto de preocupação com a nova gestão, um sinal de alerta, ou também uma denúncia velada, que ficou engasgada durante a campanha eleitoral. Na corrida às urnas, Neto Evangelista definiu e usou um discurso ignorando os resultados da gestão de Edivaldo Holanda Jr., que por sua vez ignorou a existência dele como candidato à sua sucessão.

Até as pedras de cantaria de São Luís sabem que Neto Evangelista e Edivaldo Holanda Jr. não se toleram. O pote de mágoas que cada um carrega em relação ao outro foi enchido na campanha para a Prefeitura em 2012, quando Edivaldo Holanda Jr. (PTC) disputou com João Castelo (PSDB), que tinha Neto Evangelista, então tucano, como vice. No decorrer daquela campanha, Neto Evangelista bateu forte no adversário, transformando diferenças políticas em inimizade ácida. Tanto que quando o senador Weverton Rocha decidiu que o PDT apoiaria a candidatura do democrata Neto Evangelista à sua sucessão, Edivaldo Holanda Jr. reagiu afirmando que não o apoiaria “de jeito nenhum”, e manteve a decisão, aumentando a distância que já os separava. A “neutralidade” do prefeito foi decisiva para o insucesso do candidato da aliança PDT-DEM, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno.

Sem se comprometer com nenhum candidato – contrariando, portanto, a equação básica da política, na qual todo político tem de ter um lado, e que neutralidade pode levar ao isolamento -, Edivaldo Holanda Jr. optou por não se posicionar na disputa por sua sucessão. Preferiu investir as 24 horas de cada dia da contagem regressiva na imagem de bom gestor e esnobando a política, mesmo sabendo que, se pretende voar mais alto, não irá muito longe sem a força dos que o apoiaram nas duas eleições, mas que não tiveram seu apoio agora.

O petardo disparado pelo deputado Neto Evangelista é um sintoma forte de que muitos outros virão nos tempos de disputa que se aproximam.

Com experiência suficiente para saber como funciona a ciranda da guerra pelo poder, o ex-prefeito já deve ter definidas estratégias para o confronto com adversários.

COM INFORMAÇÕES DO BLOG DO RIBAMAR CORREA

Numa caneta só, Julinho exonera mais de 3000 pais e mães de família ribamarenses

O prefeito Julinho de Maranhãozinho (PL), numa canetada só exonerou todos os servidores de cargo comissionados da prefeitura de São José de Ribamar.

No seu discurso de posse, ele havia dito que não iria demitir nenhum servidor ribamarense da prefeitura. (reveja aqui).

A sanha foi tanta que ele demitiu até os secretários e adjuntos do município que já tinham sido exonerados pela gestão, de acordo com publicação no diário do dia 31 de Dezembro.

Enquanto Julinho deixa milhares de pais e mães de família ribamarense desempregados, saiu a nomeação do seu secretariado, muitos forasteiros, entre eles o secretário de Saúde, Dr. Eduardo (relembre aqui) e a sua própria esposa Gilvana Dualibe, que não deve saber nem o nome do local onde fica a secretaria que vai ocupar.

Mas isso é assunto para a próxima postagem.

Alô, MP! No primeiro dia de gestão, ribamarenses ficam sem acesso aos diários do município

No primeiro dia útil da gestão do prefeito Julinho de Maranhãozinho (PL), os Diários ficaram inacessíveis no site da Prefeitura de São José de Ribamar. O blog entrou em contato com o chefe da Assessoria de Comunicação, Flávio Chocolate, mas não obteve resposta.

Só no final da tarde, os diários voltaram a aparecer.

A falta de acesso às publicações, incide diretamente no índice de transparência da gestão.

O blog aguarda uma justificativa para o problema.

Imagem do dia! Marcio Jerry, Brandão e Marcelo Tavares juntos

O vice governador Carlos Brandão (Republicanos), que assume a interinidade do governo nesta terça-feira (05), atendeu hoje pela manhã a prefeita de Matinha, Linielda de Eldo (PCdoB). Ciceronearam a prefeita, os secretários Marcelo Tavares (Casa Civil) e Márcio Jerry (Cidades).

Fábio Gentil anuncia candidatura à presidência da Famem

O prefeito reeleito de Caxias, Fábio Gentil (Republicanos) anunciou na manhã desta segunda-feira (04) sua candidatura à presidência da Famem.

Ele apresentou a sua experiência exitosa à frente da gestão do seu município como uma plataforma de campanha aos prefeitos, novos e reeleitos.

Gentil atribuiu sua decisão a um grupo de prefeitos que o convidou para a missão. “Esse grupo que nos oportunizou transportar esse conhecimento ao Estado do Maranhão aos prefeitos, fez com que pudéssemos engajar uma chapa a todos aqueles prefeitos que entendem a necessidade de fazermos uma política municipalista para produzir novos conceitos de gestão”, disse.

Além de levar a experiência de Caxias, ele vai apresentar aos prefeitos os caminhos para as parcerias com o Governo do Estado. “É necessária essa interatividade, essa proximidade. O Governo do Estado entente hoje que ele é governo dos 217 municípios. Representamos o povo do nosso município e sabemos onde está o problema, que é no início. E essa interação é importante para que possamos levar esse problema para o governo do estado”, argumentou.

Na entrevista ele lembrou que pertence ao partido do vice-governador, Carlos Brandão.

“Hoje temos a oportunidade de pertencer ao partido do nosso vice-governador (O Republicanos), que também é municipalista. E com esse entendimento temos a facilidade de aproximar do governador Flávio Dino todos os município que querem proporcionar ao seu povo melhores condições de vida, na educação, na saúde, na infraestrutura, acima de tudo, gerando oportunidade de realizações”, sentenciou.

Guardas Municipais prometem receber Julinho já com protesto na segunda-feira

O prefeito de São José de Ribamar, Julinho de Maranhãozinho (PL), ainda nem sentou na cadeira de prefeito, não nomeou o secretariado, e já pode enfrentar sua primeira manifestação na segunda-feira (04).

Conforme mensagem disparada via WhatsApp, os guardas municipais estão fazendo a convocação por estarem revoltados com uma possível interferência da presidente da Câmara, vereadora Francimar, mais conhecida como “Princesa do Mocotó”. Ela estaria trabalhando para indicar o comandante da Guarda Civil Municipal (GCM).

Em recente entrevista a uma emissora de rádio, Julinho garantiu que vai escolher o comandante da Guarda com base numa eleição entre os guardas. Após a eleição, os dois que concorrerem serão incorporados a uma lista tríplice, composta por um agente de trânsito, e o mais votado será o escolhido, tornando a lista tríplice uma mera formalidade.

Entretanto, o temor dos guardas é que Julinho não consiga bancar a escolha do mais votado, em função da pressão que a presidente da Câmara estaria fazendo para impor o seu indicado. E, além de pressionar o prefeito, ela estaria pedindo votos para os guardas em favor do seu pupilo, o GCM, Alan Protásio.

“Guardas municipais de São José de Ribamar estão revoltados porque a presidente da Câmara Municipal, vereadora Francimar, mais conhecida ‘Princesinha do Mocotó’, estaria querendo colocar o comandante da Guarda Municipal”, disse um dos guardas à frente da mobilização.

Alan Protásio e Neildo Marinho na disputa pela indicação

Com Protásio, disputa a indicação o GCM Neildo Marinho, que garante estar se articulando apenas dentro da categoria para obter os votos, sem buscar qualquer indicação de terceiros. A eleição está prevista para ocorrer na próxima quarta-feira, dia 06.