Câmara de Afonso Cunha nega título de cidadão afonsense a Weverton Rocha

A Câmara Municipal de Afonso Cunha derrubou o projeto do vereador Weliton da Silva Pereira (PDT) que pretendia conceder o título de cidadão afonsense ao senador Weverton Rocha (PDT).

O projeto teria sido encomendado pelo prefeito Arquimedes Bacelar, que prometeu ao Weverton que conseguiria a honraria, no entanto, para ser aprovado pela Casa Legislativa, o projeto precisaria de 2/3 dos votos, ou seja, 6 votos e a base aliada conseguiu apenas 4.

“Por falta de transparência do governo municipal dos recursos enviados pelo senador, pela falta de respeito com os professores, pela desvalorização dos agricultores familiares pela não transparência dos recursos dos precatórios, por não repassar integralmente o repasse da Câmara”, disse o vereador Zico Bento ao justificar o voto negando a homenagem ao senador.

O problema é que hoje (21) Weverton Rocha estará na cidade de Afonso Cunha, e o prefeito Arquimedes não vai poder entregar o título ao senador, ou seja, o gestor vai esperar Meu Preto com as mãos abanando.

Alô, Gil Cutrim! Por apoio, Weverton garante a Josimar 100 mil votos para deputado federal

Na luta incessante pelo poder, o senador Weverton Rocha (PDT) já traiu e se afastou de diversos aliados e amigos que fizeram parte do seu crescimento político.

O parlamentar não tem medido as consequências da sua ambição, mesmo que para isso tenha que colocar em prova de fogo os membros do seu próprio partido.

Segundo informações repassadas ao Blog do Matias Marinho, para contar com o apoio de Josimar Maranhãozinho (PL), Weverton Rocha teria oferecido 100 mil votos ao deputado para que fosse garantida a sua reeleição a Câmara Federal, configurando traição a todos os pré-candidatos do PDT.

Em relação às vagas disputadas para a Câmara Federal, o PDT tem como objetivo eleger dois candidatos, porém com o apoio a Maranhãozinho esse número pode ser reduzido e isso tem preocupado os pré-candidatos a deputado federal pela legenda que começam a desconfiar das intenções de Meu Preto.

Na sina da traição de Weverton Rocha, Lula e Bolsonaro estão na mira. Quem cai primeiro?

Estaria Weverton com um punhal desde esses tempos?

A última semana foi marcante para o jogo sucessório estadual.

O ex-governador Flávio Dino (PSB) viu o senador Weverton Rocha (PDT) despachar-lhe de um apoio importante na sua corrida pela ocupação da única vaga para o Senado nas eleições deste ano.

Importância, claro, não eleitoralmente, mas no aspecto da tão desejada unidade do grupo que Dino passou a liderar em 2015 quando assumiu o comando do Palácio dos Leões.

Falta de aviso não foi.

Egresso do grupo do saudoso Jackson Lago, Weverton traiu a família e a memória do lendário governador numa atitude tão injusta que não há melhor trecho de música para caracterizá-lo do que a célebre “Vou Festejar”, de Jorge Aragão:

“Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão”.

Agora, após a família Lago e depois do ex-governador Flávio Dino, fica a aposta sobre a próxima vítima.

Na lista, o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), cuja imagem Weverton utiliza em diversas publicidades dizendo ser seu melhor amigo no Maranhão.

Nos bastidores, diz-se à boca miúda que toda estrutura de mídia, a exemplo do controle do Sistema Difusora de Comunicação, propagandas pagas, eventos e os luxos da chamada “República de Barreirinhas”, é fruto das relações “secretas” com o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, o provável segundo alvo da lista das futuras vítimas, caso Lula não seja a próxima vítima.

Uma coisa é certa: um dos dois vai receber o punhal da traição, ou já está recebendo.

Na estadia de Lula em São Luís, Weverton esquece acordo feito com Ciro Gomes

Apesar de estar igual carrapato na cola de Lula, sempre buscando tirar a melhor foto para simular intimidade com o ex-presidente Lula em sua passagem por São Luís, tentando vender apoio ao petista em troca de aliança do partido deste em 2022, Weverton Rocha parece ter esquecido do compromisso que fez com o pré-candidato a presidente do seu próprio PDT, Ciro Gomes.

Em live recente com Ciro, Weverton Rocha defendeu o nome do pedetista como presidenciável: “Ele mesmo [Ciro] tem colocado de forma bastante humilde e de forma aberta que na hora certa irá se discutir o melhor nome [para presidente]. Nós ofereceremos o Ciro, do PDT”.

No áudio abaixo, você confere o contexto da fala, que tem até mais tom de acordo do que propriamente uma defesa apenas.

Nesses três dias de estadia do Lula em São Luís, no entanto, nem uma menção a esse compromisso firmado com o seu colega de partido. Na verdade, nos bastidores, a impressão que passa é que a cabeça de Ciro está sendo oferecida para Lula.

Estamos vendo aí mais um acordo descumprido por parte do senador?