PSD elabora planos para que Holandinha ultrapasse Lahesio Bonfim

O PSD deve aumentar os seus investimentos na pré-campanha de Edivaldo Holanda Jr. ao Governo do Estado do Maranhão.

Segundo informações obtidas pelo Blog do Matias Marinho, as últimas confusões envolvendo membros do PSC ligaram o sinal de alerta do PSD, que já começou a confiar no potencial de Holandinha, acreditando ser possível ultrapassar o bolsonarista Lahesio Bonfim (PSC). Nas pesquisas de intenções de votos ao Governo do Estado, Lahesio está na terceira colocação, uma acima ao ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Junior.

Para chegar ao segundo turno, Holandinha tem a difícil missão de ultrapassar o senador Weverton Rocha (PDT) e torcer para que o Governo Carlos Brandão (PSB) não consagre a sua reeleição ainda no primeiro turno.

Para mudar a opinião pública, Edivaldo Holanda Jr. foi orientado a ajustar o seu discurso e afirmar que é um político focado no trabalho e que não gosta de brigas.

Papelão! Deputado faz Holandinha passar vergonha em Balsas

O ex-prefeito de São Luís e pré-candidato ao governo do Maranhão, Edivaldo Holanda Junior (PSD), foi submetido a um constrangimento provocado pelo deputado estadual Pastor Cavalcante (PROS).

A informação é do Blog do Antônio Marcos, que destacou a incompetência do parlamentar em não garantir a Holandinha o apoio das Assembleias de Deus, no Maranhão.

Na tarde do último sábado (09), Cavalcante organizou em uma casa de eventos, no município de Balsas, uma reunião para apresentar aos evangélicos o seu pré-candidato a governador, o próprio Edivaldo Holanda Jr. Apesar da boa intenção e a promessa de que muitas pessoas compareceriam ao local, somente 10 pessoas se fizeram presentes, a contar com o sonoplasta e o mestre de cerimônia.

O Blog ainda destaca que “Edivaldo teria ficado uma fera”, principalmente porque nem o Pastor Cavalcante compareceu.

Para piorar a situação, como forma de se redimir, o deputado convidou Edivaldo Holanda Jr para um Círculo de Oração, em que só mulheres estavam presentes, fato que desagradou muito as evangélicas.

“Ali não era reunião política e sim um momento de adoração a Deus”, disse uma das mulheres.