Presidente do TSE afirma que eleições é assunto das “forças desarmadas”

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, declarou nesta quinta-feira (12) que a Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas jamais estará aberta a se dobrar e afirmou que quem trata das eleições são as “forças desarmadas”.

“A Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas jamais está aberta a se dobrar a quem quer que seja para tomar as rédeas do processo eleitoral”, disse Fachin.

Fachin ainda disse que o trabalho das forças armadas para a logística e administração das eleições é “proveitoso”, mas que o processo eleitoral é um tema civil.

Em resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que ameaçado constantemente às eleições de 2022, Fachin destacou “quem coloca dúvidas sobre o processo eleitoral não confia na democracia”.

TSE rejeita propostas das Forças Armadas para as eleições de 2022

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que não acatou as sugestões das Forças Armadas sobre o processo eleitoral brasileiro pra 2022.

A decisão acontece no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) amplia insinuações golpistas, ataques às urnas e promete uma auditoria que pode “complicar” o tribunal.

Em ofício enviado aos membros da CTE (Comissão de Transparência Eleitoral), órgão que tem uma cadeira para as Forças Armadas, reafirma que o pleito deste ano terá segurança.

“A Justiça Eleitoral tem historicamente assegurado a realização de eleições íntegras em nosso país. O êxito e a credibilidade conquistados pela instituição nesta tarefa maior de promoção da democracia firmam esta Justiça especializada como verdadeiro patrimônio imaterial da sociedade brasileira”, afirmou Fachin.

O TSE nega de forma assertiva 3 das 7 sugestões e diz que o restante já está em prática, ou seja, que não há o que mudar.

Cadastro eleitoral fecha superando todos os recordes já registrados pela Justiça Eleitoral

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, informou que o cadastro eleitoral para as Eleições 2022 superou todos os recordes já registrados pela Justiça Eleitoral.

“Entre janeiro e abril deste ano o país ganhou 2.042.817 novos eleitores entre 16 e 18 anos, que no dia 2 de outubro comparecerão às urnas para exercer o nobre e digno direito do voto”, disse Fachin.

O ministro destacou que a juventude brasileira foi convocada a participar das eleições em outubro, e a resposta foi impressionante.

A Justiça Eleitoral mostrou toda a força que tem nessa reta final do fechamento do cadastro eleitoral para as Eleições 2022. Nos últimos 31 dias foram registrados 8.951.527 pedidos, sendo 4.557.342 de forma presencial nos cartórios pelo sistema Elo e 4.394.185 solicitações feitas de forma virtual pelo Título Net.