Assis Ramos é investigado após sumiço de recursos federais destinados ao Hospital Municipal de Imperatriz

O prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (União Brasil), volta a ser alvo de uma investigação do Ministério Público do Maranhão (MPMA) após o descumprimento de sentença da Justiça Federal.

Segundo informações, uma audiência judicial determinou que o Ministério da Saúde fornecesse recursos necessários para que houvesse a ampliação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Municipal de Imperatriz, dentro de determinado prazo.

Após o esgotamento do prazo estipulado para a prestação de contas, o Ministério da Saúde confirmou em nova audiência que cumpriu com o que foi determinado na decisão judicial habilitando mais 10 leitos de UTI no Hospital Macrorregional do Estado e mais 10 leitos de UTI No Hospital Municipal de Imperatriz, totalizando uma ampliação de mais 20 leitos no município de Imperatriz.

Acontece que a Promotoria de Justiça realizou vistorias presenciais nas unidades de saúde e constatou a ampliação de mais 10 leitos apenas no Hospital Macrorregional que é de responsabilidade do Governo Estado do Maranhão.

No entanto, em relação ao Hospital Municipal de Imperatriz, Assis Ramos não cumpriu com a sua obrigação, deixando de instalar mais 10 leitos de UTI.

O descumprimento se agrava ainda mais, após a Portaria nº 220/GM/MS, de 04 de janeiro de 2022, habilitar mais 10 leitos de Unidades de Terapia Intensiva – UTI Adulto no Hospital Municipal de Imperatriz e deveria disponibilizar 30 leitos de UTI, financiados por recursos federais, para tratamento de pacientes o que ainda não foi feito pela administração municipal.

O Ministério Público considerou a necessidade de acompanhar e fiscalizar a prestação de serviços da saúde dos estabelecimentos de saúde de Imperatriz, de um modo especial os serviços prestados por hospitais, o que inclui o serviço prestado nos leitos de UTI do Hospital Municipal de Imperatriz, seja sua manutenção ou ampliação.

Assis Ramos é estrondosamente vaiado em encontro com Bolsonaro

O investigado prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (União Brasil), principal aliado do senador bolsonarista Weverton Rocha (PDT), foi vaiado pela sua própria população enquanto caminhava com o atual presidente da república Jair Bolsonaro (PL).

Bolsonaro esteve ontem (13) na cidade de Imperatriz, onde precisou encher o tanque de gasolina dos motociclistas para que pudessem lhe acompanhar.

Com o velho discurso padrão de críticas ao sistema eleitoral, defesa da política armamentista e elogio aos aliados investigados, Bolsonaro precisou brindar o prefeito Assis Ramos vaiado estrondosamente como nunca havia se assistido, e uma manifestação de rejeição contra o prefeito.

Cadê o dinheiro? Após Weverton Rocha afirmar que conseguiu R$ 7 milhões para Imperatriz, secretário afirma que não tem dinheiro na prefeitura

Uma obra que seria realizada na Avenida Santa Luzia pelo prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (União Brasil), está paralisada, porque segundo o secretário municipal de Infraestrutura, Fábio Hernandez não existem recursos creditados na conta da prefeitura.

De acordo com informações, recentemente o deputado Juscelino Filho e o senador Weverton Rocha (PDT) visitaram o local e afirmaram que tinha alocado verbas no valor de R$ 7 milhões e que parte desse dinheiro poderia ser investido na obra. Na ocasião, Weverton Rocha teria garantido que os serviços iniciariam em breve.

Chamado na Tribuna da Câmara Municipal de Imperatriz para prestar esclarecimento sobre o abandono da obra, o secretario Fabio Hernandez anunciou que se os serviços forem realizados, serão com recursos próprios.

Imperatriz: Assis Ramos é investigado por obra mal executada na Avenida Tropical Norte

O prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (União Brasil), e o secretário de Infraestrutura, Fábio Hernandez, são investigados em um inquérito que apura supostas irregularidades em uma obra na Avenida Tropical Norte, no Jardim Tropical.

Recentemente, Assis Ramos e Fábio Hernandez iniciaram uma obra na avenida para recuperação e pavimentação da avenida, mas o serviço não foi bem executado, motivo pelo qual a população denunciou ao Ministério Público Estadual.

O Ministério Público já havia pedido esclarecimento ao prefeito sobre as supostas irregularidades da obra, no entanto, Assis Ramos se negou a responder.

O inquérito foi instaurado com o objetivo de colher informações mais precisas sobre a denúncia visando à propositura de ação civil pública. Caso queiram, os investigados têm o prazo de 10 dias para se esclarecerem.

ERRATA: Blog esclarece postagem sobre suposta prisão de Assis Ramos

O Blog do Matias Marinho vem a público esclarecer os fatos sobre a matéria “Pedida a prisão do prefeito de Imperatriz, um dos principais aliados do senador Weverton Rocha”

Por uma falha de interpretação, fomos induzidos ao erro quanto a afirmação. Desde já, deixamos claro que o nosso compromisso é com a verdade e assim nos manteremos durante toda a nossa vida profissional.

Quanto a matéria, esclarecemos que o pedido de prisão da SECCOR e do Ministério Público Estadual do Maranhão a 1º Vara Especial Colegiada dos Crimes Organizados, no FÓRUM de São Luís, foi direcionado a Alan Johnes Oliveira Sousa e não ao prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (União Brasil), como mencionado.

Assis Ramos não foi julgado e não teve nenhum pedido de prisão contra ele. A 1º Vara Especial Colegiada dos Crimes Organizados entendeu que não tem competência para processar ou julgamento do atual prefeito de Imperatriz. E direcionou a SECCOR e MPE a procurarem o Tribunal de Justiça, responsável por processar e julgar, originariamente, os prefeitos nos crimes comuns.

Carlos Brandão anuncia pacote de obras incluindo Saúde e Infraestrutura para Imperatriz e região

Em comitiva à Região Tocantina, o governador do Maranhão, Carlos Brandão, está na cidade de Imperatriz para vistoriar, entregar e anunciar um pacote de obras que envolve as áreas de Infraestrutura, Saúde, entre outras.

Logo nas primeiras horas da manhã, acompanhado do chefe da Casa Civil, Sebastião Madeira, do secretário de Saúde, Tiago Fernandes, e do de Infraestrutura, Aparício Bandeira o governador anunciou o serviço de 70 km de pavimentação asfáltica para a cidade de Imperatriz.

A comitiva se dirigiu a uma visita ao Hospital Macrorregional de Imperatriz que será contemplado com reforma e blocos, aumentando a sua estrutura e proporcionando melhorias para os moradores de toda a região.

No período da tarde, o governador deve anunciar outras medidas importantes para a região, além do cumprimento da extensa agenda na cidade.

Preso pela Gaeco, em Imperatriz, comemorou aniversário no dia anterior à operação

Ontem, antes da Operação do Gaeco, que prendeu preventivamente o secretário de Limpeza Urbana de Imperatriz, Allan Jhones, o prefeito da cidade, Assis Ramos, esteve no seu aniversário.

Em uma entrevista a uma rádio local, Assis disse que não é Deus para ser onipresente em todas as secretarias e insinuou que reconhece que pode haver corrupção em sua gestão.

Acontece que o investigado é compadre do prefeito e mantém laços de amizades e familiares com o responsável pela Limpeza Urbana de Imperatriz.

Ramos, que é delegado de ofício, devia ter um faro melhor para possíveis irregularidades.

Veja a reportagem da Operação

 

Em Imperatriz, Gaeco bate na porta da gestão Assis/Weverton

 

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas) do Ministério Público do Maranhão, com auxílio da Polícia Civil do Estado, deflagrou na manhã desta quinta-feira (17) a Operação Impacto. A ação também contou com o apoio operacional do Gaeco do Rio de Janeiro e o do Tocantins– RJ, e foi realizada nas cidades de Imperatriz (MA), Rio de Janeiro (RJ) e São Miguel (TO).

Segundo o Ministério Público, foi preso preventivamente um servidor público vinculado a Superintendência de Limpeza Pública Urbana de Imperatriz, investigado pelo suposto cometimento dos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsidades documentais e fraudes licitatórias associado com outros servidores da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos e de outros órgãos públicos do município de Imperatriz.

As investigações se iniciaram após representação formulada pela 1º Promotoria de Justiça Especializada na defesa do Patrimônio Público de Imperatriz, dando conta de uma possível organização criminosa com atuação no âmbito da Sinfra e Superintendência de Limpeza Pública Urbana de Imperatriz, integrada por agentes públicos e por particulares, dividida em núcleos administrativo e empresarial, estruturada para o desvio de verbas públicas do erário municipal.

No curso da investigação, foram colhidos indícios de que um grupo criminoso organizado atuou para direcionar, em favor de uma empresa, uma concorrência pública destinada a contratação de firma especializada em limpeza pública urbana pelo prazo de doze meses. O processo efetivamente resultou na contratação, em maio de 2018, da empresa investigada, pelo valor de R$ 25.968.018,96. O valor foi elevado ao total de R$ 58.183.579,48 depois de dois aditivos que estenderam o contrato até março de 2021.

Além de uma prisão preventiva, foram cumpridos 17 mandados de busca e apreensão, em endereços vinculados aos investigados, nas cidades de Imperatriz (MA), Rio de Janeiro (RJ) e São Miguel (TO), assim como na sede da empresa e em algumas secretarias municipais de Imperatriz.

A decisão judicial foi deferida pela 1ª Vara Criminal de Organização Criminosa da Comarca de São Luís, determinando ainda a indisponibilidade e bloqueio de bens de valores correspondentes ao ganho econômico supostamente conseguido pelos agentes, calculado em R$ 10 milhões. Este valor foi o confirmado pericialmente, até o momento, resultado de superfaturamento nos pagamentos realizados.

Foi ordenado também o afastamento temporário de quatro servidores públicos investigados. Entre eles estão o secretário e subsecretário da Sinfra de Imperatriz, o superintendente de Limpeza Pública Urbana e um fiscal do contrato, que foram afastados por tempo indeterminado dos cargos públicos.

Após os procedimentos de praxe, o preso será encaminhado ao Instituto Médico Legal para realização de exame de corpo de delito, com posterior encaminhamento a Unidade Prisional de Imperatriz, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Prefeito de Imperatriz segue dando milho aos pombos, inerte no enfrentamento do problema das enchentes

Enquanto o governador Flávio Dino (PSB), mesmo acometido da Covid-19, envida todos os esforços no enfrentamento dos efeitos das fortes chuvas que atingiram o Maranhão no últimos dias, o prefeito da segunda maior cidade do Estado, aliado político de primeira hora do senador Weverton Rocha (PDT), Assis Ramos (DEM), tem se mostrado letárgico, como que esperando apenas ações do governo estadual.

Reeleito prefeito de Imperatriz em 2020, Assis Ramos mostra preocupação zero com a situação dos desabrigados do seu município. Anos após anos a cidade sofre com as cheias do Rio Tocantins, mas mesmo assim não há qualquer ação antecipada e sólida para amenizar o sofrimento das comunidades ribeirinhas.

A letargia até parece proposital. O município não faz praticamente nada, sabendo que o Governo do Estado fará a intervenção emergencial, como já está acontecendo.

Nesta quinta-feira (06), por exemplo, o governador Flávio Dino decretou em todo Maranhão estado de calamidade pública. Nos próximos dois dias, sexta e sábado, o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), que interrompeu seu recesso, percorre os municípios mais castigados com as chuvas, incluindo Imperatriz.

Na bagagem, o vice-governador, acompanhado dos secretários e da Defesa Civil, que já estão atuando nessas regiões, leva ações efetivas, incluindo produtos emergenciais, como cestas básicas, atendimento em saúde, além de soluções relacionadas à moradia, cuja medida irá melhorar a vida dos ribeirinhos a médio e longo prazos.

Entretanto, enquanto isso acontece, o prefeito de Imperatriz segue como que “dando milho aos pombos” em suas fazendas, letárgico, insensível e com ações zero no enfrentamento do problema.

Lamentável.

Covid-19: Hospital de Campanha é aberto em Imperatriz

O Governo do Maranhão anunciou hoje (9) a abertura de um hospital de campanha na cidade de Imperatriz. A estrutura, que foi montada no Centro de Convenções da cidade, é resultado de uma parceria público/privada que conta com a participação do Governo do Estado, da Associação Comercial e Industrial de Imperatriz (ACII) e da Suzano Papel e Celulose.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, são 60 leitos no hospital, sendo 10 deles para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O hospital já entrou em funcionamento e vai reforçar o tratamento de pacientes, em um cenário extremamente delicado para a cidade.

Em suas redes sociais, o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) informou que a entrega da obra aconteceu de forma mais restrita e reservada pela questão da segurança sanitária. “Serão 289 profissionais atuando no local, que contará com leitos de UTI e de internação. Vamos em frente”, comentou Brandão.