Flávio Dino critica parte das Forças Armadas

Diante dos últimos acontecimentos envolvendo a morte do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, na Amazonia, o ex-governador do Maranhão e pré-candidato ao Senado Federal, Flávio Dino (PSB), criticou a postura de uma parte das Forças Armadas Brasileira.

Dino afirmou que enquanto parte das Forças Armadas se preocupa com o Tribunal Superior Eleitoral, quadrilhas estariam tomando conta da Amazônia.

“Enquanto parte das Forças Armadas está mobilizada contra o TSE e as urnas eletrônicas, alegando risco à “soberania nacional”, quadrilhas tomam conta da Amazônia. O mundo inteiro está vendo o resultado”, afirmou Flávio Dino.

Na tarde de ontem (15), os irmãos Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como Pelado, e Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos, confessaram que assassinaram o indigenista brasileiro e o jornalista inglês a tiros e depois queimaram e enterraram os corpos. A motivação do crime ainda é incerta.

A segunda maior terra indígena do país, o Vale do Javari, é palco de conflitos típicos da Amazônia: tráfico de drogas, roubo de madeira e avanço do garimpo.

Irmãos confessam assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips na Amazônia, dizem fontes da PF

Os irmãos Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como Pelado, e Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos, confessaram o assassinato do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, desaparecidos desde 5 de junho na região do Vale do Javari, na Amazônia.

Segundo uma fonte da Polícia Federal, os irmãos mataram Pereira e Phillips a tiros e depois queimaram e enterraram os corpos. A motivação do crime ainda é incerta, mas a polícia apura se há relação com a atividade de pesca ilegal na região. Segunda maior terra indígena do país, o Vale do Javari é palco de conflitos típicos da Amazônia: tráfico de drogas, roubo de madeira e avanço do garimpo.

A PF iniciou buscas na área para localizar os corpos, o que não havia acontecido até a última atualização desta reportagem, e confirmar essa versão. Ainda de acordo com a fonte, deverá ser feito exame de DNA com base em material fornecido por parentes das vítimas. A família do repórter no Reino Unido afirmou não ter sido informada sobre a confissão dos assassinos.

Antes de sumir, Pereira, que era servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai), e Phillips haviam partido da Comunidade São Rafael em uma viagem com duração prevista de duas horas rumo a Atalaia do Norte, mas eles não chegaram ao destino.

Barroso engrossa o tom e cobra providências do governo sobre desaparecimento de indígena e britânico

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o governo federal adote todas as providências necessárias para localizar o indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira, servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai), e o jornalista britânico Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian, desaparecidos desde o dia 5 de junho.

A decisão foi tomada após pedido apresentado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), autora de uma ação de relatoria do ministro que trata sobre proteção de terras indígenas.

Barroso determinou ainda a apresentação, em até cinco dias, de um relatório sigiloso contendo todas as providências adotadas e informações obtidas sobre o desaparecimento.

A intimação será feita em nome do ministro da Justiça, do diretor da PF e do presidente da Funai, sob pena de multa de R$ 100 mil.

Nitroglicerina = Família Babado + Fenômeno na República de Barreirinhas + Crô demolidor

1 – Família Babado  

Enquanto a ‘filha’ se acha a rainha da cocada preta, a ‘neta’ tá sendo a própria.

Numa semana a neta foi vista em São Paulo, com um ‘cabeça branca’ que não tem nada a ver com ‘Leonardo’ Di Caprio (a não ser pelo seu poder de frenquentar os mais caros restaurantes de Sampa) e já na semana seguinte foi a vez da filha. Só que com outro ‘devaneio’: de ser de fato a ‘rainha da cocada preta’ do Maranhão.

Rapaz, que família!

Não bastasse o estrago feito nas contas da ‘saúde do Maranhão’, com elefantes brancos espalhados pelo estado, agora me chaga mais esssa novidade: a prole atacando por todos os lados.

‘SAravá!!!

2 – Fenômeno na República de Barreirinhas 

E por falar em falta de noção, ganha um doce quem acertar qual ‘Camisa 9’ foi levado de jatinho de São Luís para a República de Barreirinhas para mais uma farra homérica no último fim de semana.

Uma dica: continua sendo um dos ‘caras’ de um ex-gestor de São Luís, embora tenha se queimado um pouco após fugir com as ‘bolas cheias’, escapando da Polícia Federal e do próprio ex-gestor, sobrando para um ex-secretário que foi pego pela PF com as ‘bolas quase vazias’.

No rega-bofe, foi prometido o céu para o ‘fenômeno’ causídico, desde que ele convença seu protegido de que esse ‘céu’ pode ser na terra mesmo e, o palácio celestial, nos Leões.

3 – Crô demolidor

Tem comunicador tiririca com jornalista da ‘turma açodada’. Nem só de ‘Teo Pereira’ sobrevive o time dos defensores de ‘Olhão’, como é conhecido também ‘Meu Preto’, ‘Moleque do São Cristóvão’ ou ‘Senador Costa Rodrigues’.

Haja apelido, viu! Quem costuma ter muito apelido assim são as almas sebosas. Desconjuro!

Pois bem, voltando à zanga do comunicador, dessa vez o vilão não é ‘Teo Pereira’, é o ‘Crô’. Diferentemente do Crô original, o nosso tupiniquim gosta de mais da ‘fruta do Éden’, apesar de se mostrar um típico membro da família tradicional brasileira, recatado e do lar.

A verdade é que o homem gosta tanto de família que tomou a matriarca do colega. Curuzes!