PDT não envia filiação de Neto Evangelista ao TSE, que pode ficar fora das eleições

O deputado estadual Neto Evangelista (União Brasil) está fora das eleições estaduais de 2022.

Segundo informações, não houve tempo hábil para que o União Brasil conseguisse realizar o cadastro de filiação do parlamentar junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para disputar por uma vaga na Assembleia Legislativa do Maranhão (ALEMA).

Sem partido, Neto Evangelista rejeitou uma proposta do prefeito de São Luís para se juntar ao PODEMOS e acabou acreditando na promessa do senador Weverton Rocha (PDT) de que disputaria pelo PDT uma vaga na Câmara Federal.

No entanto, ao aceitar o convite, o PDT não abriu mão dos seus candidatos à vaga de Brasília e orientou Evangelista a disputar uma vaga na Assembleia Legislativa.

A demora por uma definição do PDT acabou prejudicando as intenções de Evangelista, que acabou se apalavrando com o União Brasil, no entanto, até o momento, o nome de Neto Evangelista não aparece no site do TSE.

Nos bastidores da política maranhense, Neto estaria impossibilitado de disputar a vaga para a ALEMA, já que o União Brasil e o futuro presidente da sigla Pedro Lucas são aliados do governador Carlos Brandão (PSB) e não permitiriam um infiltrado na legenda.

Falta de espaço e força política, levam Neto Evangelista a se conformar com reeleição na ALEMA

Alegando proximidade com a população, Neto Evangelista decidiu que vai concorrer à reeleição ao cargo de deputado estadual nas eleições de 2022.

“As pessoas sempre me perguntavam: vai ser candidato a federal? E sempre vinha acompanhado de um sentimento de perda. Então, em respeito às pessoas que sempre confiaram em mim ao longo de toda minha trajetória política, decidi continuar cumprindo com seriedade, honestidade e convicção meu trabalho, ouvindo as pessoas e suas demandas, estando perto dos parceiros e amigos de cada município”, afirmou o deputado.

Corre nos bastidores da política maranhense que o deputado tentaria a vaga de deputado federal pelo União Brasil, no entanto, desistiu após a legenda priorizar as candidaturas de Juscelino Filho e Pedro Lucas a federais pela sigla. Neto acabou se conformando em disputar a vaga de deputado estadual.

Neto Evangelista desiste da Câmara Federal e vai tentar reeleição na ALEMA

O deputado estadual Neto Evangelista (PDT) desistiu de tentar uma vaga na Câmara Federal e vai tentar a reeleição para a Assembleia Legislativa (ALEMA)

A definição vem após as dúvidas sobre a sua filiação ao União Brasil por conta das candidaturas de Juscelino Filho e Pedro Lucas a federais pela sigla. Neto preferiu não arriscar sua eleição e decidiu se filiar ao PDT.

Em um caminho supostamente mais fácil, o PDT pretende eleger cinco estaduais e até dois federais.

De quando os Sarneys deixam de ser oligarquia…

Ainda sobre a “Galera de Weverton esquece de olhar o umbigo antes de criticar Dino por aproximação com Sarney“, a hipocrisia é ainda mais gritante.

Na foto acima, um retrato de quando o grupo Sarney deixa de ser oligarquia para atender os interesses dos oportunistas de plantão.

Registro feito no apartamento da ex-governadora Roseana Sarney, nas eleições de 2020, quando o senador Weverton Rocha (PDT) buscou o apoio dos sarneysistas para a frustrada candidatura do deputado estadual Neto Evangelísta (DEM) à prefeitura de São Luís.

Óleo de peroba mandou lembranças!

“Festa nos Leões” – “Olha quem apareceu aqui!”

Fora do debate político desde quando perdeu a disputa da eleição de São Luís, o deputado estadual Neto Evangelista(DEM) reapareceu na ‘Festa dos Leões’.

Pela cara de surpresa do vice-governador, Carlos Brandão(PSDB), e dos colegas deputados Adelmo Soares(PCdoB) e Leonardo Sá(PL), leva a crer que Evangelista estaria recompondo com os leões, porém não se teve registro de fotos nem com Lula(PT) e muito menos com o anfitrião da festa, o governador Flávio Dino(PSB). (Do blog do Martin Varão)

Neto Evangelista tenta botar água no chope de Edivaldo Holanda Jr.

Deputado afirma que Edivaldo Holanda Jr. deixou bolada de Mais de meio bilhão de reais em restos a pagar

Antes de completar um dia na condição de ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. (PDT) foi alvejado pelo primeiro disparo destinado a colocar em dúvida a imagem de excelência na gestão financeira com que deixou o cargo que exerceu por oito anos.

O petardo, que o alcançou às 20 horas e 48 minutos do primeiro dia do ano, foi disparado no Twitter pelo deputado estadual Neto Evangelista (DEM), ex-candidato apoiado pelo PDT à sua sucessão, mas que não contou com seu apoio.

Na postagem, Neto Evangelista, a pretexto de enumerar dificuldades que o prefeito Eduardo Braide (Podemos) enfrentará, afirma, sem citá-lo, que Edivaldo Holanda Jr. deixou a Prefeitura com “restos a pagar” no valor nada menos que R$ 650 milhões, e dizendo acreditar que o volume de papagaios pendurados seja bem maior. Ele afirma que, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), São Luís tem Capacidade de Pagamento “C”, “o que, segundo também o STN, só ganhamos do falido Rio de Janeiro nesse quesito”.

Neto Evangelista escreveu também que o novo prefeito recebeu São Luís como “a pior capital do Nordeste”, segundo o Índice de Governança Municipal (IGM), utilizado pela Sudene e outras instituições como instrumento de avaliação nesse campo. E mais: o respeitado Índice Firjan de Gestão Fiscal “aponta nossa Capital como a pior do Brasil nesse quesito”.

Na sua avaliação, o parlamentar democrata afirma que, “sem recursos específicos para a Covid, sem compensação sobre a queda de arrecadação e com o fim do auxílio emergencial, o desafio será grande”. E conclui: “Eduardo terá de arrumar literalmente a casa”, o que, numa interpretação lógica e cartesiana, leva à conclusão de que, para o parlamentar, ao contrário do que afirmou na mensagem de despedida, o ex-prefeito deixou a casa desarrumada.

A manifestação de Neto Evangelista, feita no calor da troca do comando municipal, pode ser vista por vários vieses. Pode ter sido, como sugere no final, um gesto de preocupação com a nova gestão, um sinal de alerta, ou também uma denúncia velada, que ficou engasgada durante a campanha eleitoral. Na corrida às urnas, Neto Evangelista definiu e usou um discurso ignorando os resultados da gestão de Edivaldo Holanda Jr., que por sua vez ignorou a existência dele como candidato à sua sucessão.

Até as pedras de cantaria de São Luís sabem que Neto Evangelista e Edivaldo Holanda Jr. não se toleram. O pote de mágoas que cada um carrega em relação ao outro foi enchido na campanha para a Prefeitura em 2012, quando Edivaldo Holanda Jr. (PTC) disputou com João Castelo (PSDB), que tinha Neto Evangelista, então tucano, como vice. No decorrer daquela campanha, Neto Evangelista bateu forte no adversário, transformando diferenças políticas em inimizade ácida. Tanto que quando o senador Weverton Rocha decidiu que o PDT apoiaria a candidatura do democrata Neto Evangelista à sua sucessão, Edivaldo Holanda Jr. reagiu afirmando que não o apoiaria “de jeito nenhum”, e manteve a decisão, aumentando a distância que já os separava. A “neutralidade” do prefeito foi decisiva para o insucesso do candidato da aliança PDT-DEM, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno.

Sem se comprometer com nenhum candidato – contrariando, portanto, a equação básica da política, na qual todo político tem de ter um lado, e que neutralidade pode levar ao isolamento -, Edivaldo Holanda Jr. optou por não se posicionar na disputa por sua sucessão. Preferiu investir as 24 horas de cada dia da contagem regressiva na imagem de bom gestor e esnobando a política, mesmo sabendo que, se pretende voar mais alto, não irá muito longe sem a força dos que o apoiaram nas duas eleições, mas que não tiveram seu apoio agora.

O petardo disparado pelo deputado Neto Evangelista é um sintoma forte de que muitos outros virão nos tempos de disputa que se aproximam.

Com experiência suficiente para saber como funciona a ciranda da guerra pelo poder, o ex-prefeito já deve ter definidas estratégias para o confronto com adversários.

COM INFORMAÇÕES DO BLOG DO RIBAMAR CORREA