Segep disponibiliza vacinação contra Influenza e Hepatite B aos servidores públicos estaduais

Em mais uma ação em prol da valorização dos servidores públicos, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores (Segep) iniciou o mês de agosto vacinando os funcionários públicos.

As doses dos imunizantes foram aplicadas no Espaço Bem- Estar, localizado no edifício Nagib Haickel e a ação aconteceu das 09h às 16h. Para serem vacinados, os servidores precisaram apenas apresentar um documento de identificação com foto.  Cerca de 200 funcionários foram duplamente imunizados contra Influenza, vírus causador da gripe, e Hepatite B.

O secretário da Segep, Pedro Chagas, destacou a importância de fomentar ações como essas. “O funcionalismo público não pode parar. Nada mais justo do que trazer doses de imunizantes tão importantes do calendário vacinal para perto dos nossos servidores e facilitar o acesso. O que queremos é que todos estejam com a saúde em dia. Trabalhamos com a prevenção que é a arma mais eficaz contra as doenças”, destacou o secretário Pedro Chagas.

A ações voltadas para saúde dos servidores foram iniciadas na sexta-feira, 29, com a testagem de hepatite B no espaço Bem-Estar. Ao todo, foram realizados 100 testes.

 

 

 

 

 

 

 

 

“É inacreditável não ter até agora uma campanha de vacinação do Ministério da Saúde”, critica Carlos Lula

Em entrevista à Folha de São Paulo, o ex-secretário da Saúde do Maranhão, Carlos Lula, lamentou o baixo índice de crianças vacinadas contra a Covid-19 no país. Para ele, a falta de campanhas publicitárias de incentivo à vacinação por parte do Ministério da Saúde resulta em baixa adesão dos pais e responsáveis.

“É inacreditável não ter até agora uma campanha de vacinação do Ministério da Saúde dizendo: leve seu filho para vacinar! Vacina salva!”, critica.

Desde o início das discussões sobre a vacinação para o enfrentamento da pandemia, o ex-secretário e ex-presidente do Conass defende a vacinação em massa da população e critica a postura do Governo Federal.

“O Ministério se nega a fazer isso [campanha] e a gente sabe a razão. Se a gente não tiver uma força da presidência no sentido de incentivar a vacinação das crianças é improvável que a gente mude rapidamente esse quadro”, ressalta.

Após recomendação da Anvisa para vacinação de crianças de 3 a 5 anos com a Coronavac, Estados e Distrito Federal aguardam do Ministério da Saúde o envio de doses para o público infantil, até o momento, sem previsão.

Dia D de vacinação contra a Covid-19 acontece neste sábado (16)

Está marcado para este sábado (16), o Dia D da vacinação contra a Covid-19 na Grande Ilha. Serão disponibilizados 16 pontos de vacinação, distribuídos em São Luís, Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar.

O objetivo da ação é incentivar a população a atualizar seu esquema vacinal contra a doença. O secretário de Estado da Saúde, Tiago Fernandes, destaca a importância da adesão da população.

“Estamos com tudo planejado para aplicar o maior número de vacinas possível. Vamos concentrar nossos esforços nestes pontos para descentralizar o serviço neste dia e, assim, fazer com que mais pessoas tenham acesso à vacinação contra a Covid-19”, afirma o secretário Tiago Fernandes.

Em São Luís, das 8h às 13h, a ação acontece no IEMA Rio Anil (antigo Cintra); nas Policlínicas Vinhais e Cidade Operária; no Hospital Dr. Genésio Rêgo; no Centro Educa Mais Padre José Bráulio Sousa Ayres, na Cidade Olímpica; no Centro Educa Mais Prof. Ignácio Rangel, na Cidade Operária; e no Shopping da Criança, que vai oferecer a vacinação para o público infantil. Já das 8h às 16h a vacinação será oferecida no Centro Educa Mais Luís Alves Silva, na Liberdade e na Escola de Saúde Pública (ESP), no Centro Histórico.

No município de São José de Ribamar, das 8h às 13h, a vacinação contra a Covid-19 será disponibilizada no Centro de Ensino Estado da Guanabara, no Centro; no Centro de Ensino Cunha Santos, no Parque Vitória; e na Escola Luís Rêgo, no Jardim Tropical. Das 17h às 21h, a ação acontece na Praça de Alimentação do Pátio Norte Shopping.

Em Paço do Lumiar, a ação acontece das 8h às 13h no Centro de Ensino Erasmo Dias, no Maiobão; e na UEB Maria de Lourdes. Já em Raposa, também das 8h às 13h, a vacinação acontece na Unidade Integrada Sarney Filho, localizada no Centro.

Além da quarta dose para as pessoas com 18 anos ou mais, que já tenham tomado a terceira dose há mais de quatro meses, também será oferecida a terceira dose para o público de 12 anos ou mais e a primeira e segunda dose para as crianças de cinco anos ou mais.

Para a vacinação, é necessária a apresentação de documento pessoal que pode ser um RG ou certidão de nascimento (para o público infantil) e a carteira de vacinação.

Eduardo Braide acompanha início da vacinação em novo ponto na UFMA

O prefeito Eduardo Braide acompanhou, na manhã desta quinta-feira (08), o início do atendimento no Centro Municipal de Vacinação montado no Centro de Convenções da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), onde também já funciona um drive-thru de imunização contra a doença.

O novo espaço tem capacidade para receber até 2.500 pessoas por dia e é o quarto ponto disponibilizado pela Prefeitura de São Luís, para que a população possa se vacinar ficando protegida contra o coronavírus.

“A partir de hoje São Luís conta com um novo centro de vacinação contra a Covid-19, contando com toda a estrutura para que todos que venham até aqui se vacinem com brevidade, comodidade e segurança. Esta é mais uma opção, sobretudo para os moradores da região Itaqui-Bacanga e bairros próximos. Com isso, seguimos ampliando o número de espaços do tipo para que toda a população possa ser vacinada à medida que novas doses da vacina sejam disponibilizadas pelo Ministério da Saúde”, disse o prefeito.

O novo espaço tem área de triagem com 10 pontos de atendimento para evitar longo tempo de espera e 10 stands de vacinação. O local foi sinalizado para que o cidadão possa se orientar com facilidade, tem monitores para organizar o atendimento e tirar dúvidas da população, tótens com álcool em gel para que todos possam higienizar as mãos, área pós-vacina e acessibilidade.

Covid-19: Secretários municipais de saúde são demitidos após “furar fila”; MP investiga casos

Reportagem do Fantástico, na edição deste domingo (24), mostrou casos registrados em várias cidades da chamada farra das ‘furadas de fila’ com relação às vacinas contra a Covid-19. Em pelo menos 26 cidades, em 14 estados e no Distrito Federal, o Ministério Público abriu apurações sobre a vergonhosa atitude de secretários municipais de saúde, assessores e até fotógrafos de prefeituras.

Confirma alguns casos e desdobramentos:

Em Manaus (AM), muitos profissionais da saúde não receberam a vacina, mas funcionários da prefeitura conseguiram a imunização – dentre elas duas médicas recém-formadas, filhas de um empresário; a vacinação foi interrompida na cidade e virou algo de investigação do Ministério Público;

Em Jupi (PE), a cidade precisava de 600 doses para vacinar os 300 trabalhadores da saúde. Só chegaram 68 e no embalo dos fura-filas, o fotógrafo e a secretária da Saúde do município garantiram suas doses já no primeiro dia. Os dois acabaram afastados dos cargos;

“Sem orientação”, em Candiba (BA), a cidade esperava 114 doses apenas para pessoal da Saúde. Recebeu 100 doses e uma delas foi para o braço do prefeito, que não está entre os grupos prioritários.

Inacreditavelmente, em Pires do Rio (GO), o secretário da Saúde presenteou a mulher com uma dose da vacina e furou a fila. O ato de amor custou o cargo do secretário, que foi afastado pela Justiça a pedido da promotoria.

Covid-19: MP vai investigar farra das furadas de fila

O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Caop Saúde), emitiu, nesta quarta-feira, 20, ofício aos promotores de justiça de todos dos municípios maranhenses para que estes notifiquem os secretários municipais de saúde a fim de obedecerem a fila de prioridade na vacinação contra o Novo Coronavírus.

O objetivo é assegurar o cumprimento da fila de prioridade definida pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). A desobediência à determinação deve ocasionar a responsabilização do gestor, inclusive por improbidade administrativa.

Na primeira fase, devem ser vacinados os profissionais de saúde em atuação direta, população indígena, pessoas de 60 anos ou mais que estejam em instituições de abrigamento e pessoas com deficiência na mesma situação.