“Não há espaço para a misoginia e violência contra a mulher”, afirma Brandão sobre ataques sofridos por Manuela D´Ávila

O governador Carlos Brandão (PSB) se solidarizou com a ex-deputada federal Manuela D´Ávila, vítima de novos ataques e ameaças de morte por meio da internet.

Brandão ressaltou que não há mais espaço para violência contra a mulher e que os criminosos sejam punidos pela justiça.

“Não há espaço para a misoginia e violência contra a mulher. Que os autores das ameaças sofridas pela ex-deputada federal Manuela D’Ávila prestem contas com as autoridades competentes e com o rigor da lei. Precisamos de um país civilizado, livre de barbárie e de impunidade”, publicou o governador.

A ex-deputada publicou prints nos quais ela é ameaçada de morte e violação. Os ataques incluem ainda ameaças à filha, de 6 anos e à sua mãe.

Nas conversas privadas em que os ataques foram feitos, o ex-presidente Lula também foi citado e o agressor disse querer esquartejá-lo.

Flávio Dino critica professores que ensinam técnicas de torturas em cursos preparatórios para PRF

O ex-governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), criticou a postura de alguns professores de cursos preparatórios para a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A repercussão da morte de Genilvaldo Santos por asfixia no estado de Sergipe levantou o debate sobre o grau de agressividade e violência nas abordagens de policiais em todo o Brasil.

Após o episódio, começou a circular nas redes sociais um vídeo de um professor identificado como Ronaldo Bandeira, que é policial rodoviário federal, orientando sobre uma situação em que o suspeito, já no porta-malas, tentava chutar o vidro para sair.

“O que o policial faz? Abre um pouquinho, pega o spray de pimenta e taca. Foda-se, é bom pra caralho, a pessoa fica mansinha. Daqui a pouco escuto ‘vou morrer’, ‘vou morrer”, disse Ronaldo aos risos.

Para Flávio Dino, a postura desses agentes é criminosa e destaca que o Ministério Público precisa suspender essas aulas imediatamente.

“Esses sujeitos que estão em salas de aula ensinando técnicas de tortura e fazendo apologia de crimes não são professores. São CRIMINOSOS. O Ministério Público deve pedir imediata suspensão de tais “aulas”. E os que forem servidores públicos devem ser demitidos”, declarou.

 

Flávio Dino atribui abordagem violenta no caso Genivaldo a estímulo de atos ilegais de Bolsonaro

O ex-governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), atribuiu a violência do caso Genivaldo com a postura que o presidente Jair Bolsonaro (PL) vem tratando as questões de segurança e políticas públicas no país.

Genival morreu após uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no município de Umbaúba, no estado de Sergipe. Durante a ação, a PRF utilizou uma bomba de gás lacrimogênio dentro de uma viatura onde a vítima estava. A suspeita é que a causa da morte de Genival tenha sido por asfixia.

“A mais alta autoridade política do país não pode praticar ou estimular atos ilegais e violentos, quando isso ocorre, produz câmara de gás, em uma viatura policial. Os agentes, provavelmente, responderão por homicídio doloso. E o que ocorrerá com a tal autoridade”, disse o ex-governador.

 

Apesar de evangélico, Lahesio e seguidores agem com violência infernal na pré-campanha

Inconformado com a perda da presidência do PTB para o senador Roberto Rocha, o evangélico e pré-candidato ao Governo do Estado do Maranhão, Lahesio Bonfim, deixou de lado os princípios cristãos e está agindo de forma infernal na pré-campanha, ao lado de seus seguidores.

Um dos principais alvos dos seus ataques é a deputada estadual Mical Damasceno, que segundo os seguidores de Lahesio “vendeu sua alma para o demônio.”

Os mais exaltados acusam o senador de ter comprado o PTB-MA por R$ 5 milhões em emendas parlamentares para conspirar contra Lahesio.

A apunhalada foi dolorosa e bastante sentida por quem afirma que Mical e Roberto agiram por trás do prefeito de São Pedro dos Crentes.

Lahesio Bonfim e sua militância virtual já são conhecidos pelos seus comportamentos agressivos e já agiram com truculência para a destruição das reputações do Promotor Nicolau e do vice-governador Carlos Brandão.

São José de Ribamar perde Nilsinho, vítima de possível execução

Em meio a tantas notícias difíceis de digerir, São José de Ribamar amanheceu hoje com mais um registro doloso: o assassinato brutal do jovem Nilsinho.

Ele não ocupava cargos públicos, mas era chamado de prefeito. Não era galã de novela, mas se considerava belíssimo e talvez por isso só andava impecável, muitas vezes de terno e gravata.

Nos eventos públicos, Nilsinho sempre estava presente, se destacava não só por ser espichado, mas pelo seu sorriso simpático. O seu jeito peculiar nunca foi motivo para ninguém dispensar sua presença.

Na madrugada desta segunda-feira, andando pelas ruas, como sempre fazia, Nilsinho foi vítima de possível execução.

Uma maldade sem tamanho que tirou a vida não só de um jovem querido por todos, mas de uma figura muito popular e divertida de Ribamar.

A Avenida Panaquatira não será mais a mesma sem sua presença. Na verdade, São José de Ribamar perde um pouco do seu encanto com sua ausência.